14 setembro 2006

Comunicação?

Lábios entreabertos só dizem
meias-palavras de amor
o surdo-poeta só ouve
alguma coisa sobre dor


Keila Sgobi
13/09/2006

18 comentários:

  1. Não jure, eu sei que não leu rsrs...

    Há 2 anos fiz algo assim:

    Língua entre lábios
    Lábios entre dentes
    Boca entre aberta
    Sussurrando: entre, entre...

    o que não nos falta são elementos, ne? graças...

    belo seu poema!
    bjo.

    ResponderExcluir
  2. Muito boa essa comunicação!

    Beijinhos...
    :)

    ResponderExcluir
  3. o surdo-poeta sabe que amor rima com dor! ;p~

    bjus!

    ResponderExcluir
  4. oi! tudo certo?.. meu nome é Amy.. e u acabei de fzer meu blog..e digamos q eu tô apanhando p aprender a mecher.. então tô sanindo por blogs alheis na procura de alguem q me ajude. =D
    se vc puder..ficarei grata..
    valeu.

    ResponderExcluir
  5. , amores doloridos ...
    |beijos meus|

    ResponderExcluir
  6. Cheguei ao seu blog por indicação, e vou voltar para ler com vagar. Gostei muito. Também escrevo poesia. Abs.,
    Zingarah

    ResponderExcluir
  7. mas é sempre entre
    entreabertos lábios
    que as palavras se calam
    e em sua mudez
    nos fazem algo de sábios
    e algo de estupidez!

    ResponderExcluir
  8. Ouvi dos seletivos:
    - sê eletivo
    e ouvidos seletivos,
    se queres ouvi-lo.


    .... hehe... bacana!!! ... viajei!!!...

    (ah, respondendo ao seu comentário, muito pertinente, adorei o debate, vou citar umas linhas que li recentemente do Manuel Bandeira que tem relação com o que escrevi:
    "Aproveito a ocasião para jurar que jamais fiz um poema ou verso initeligível para me fingir de profundo sob a especiosa capa de hermetismo. Só não fui claro quando não pude". Acho que isso acresenta bastante ao debate que eu quis propor!)

    beijos queridos
    Jardineiro

    ResponderExcluir
  9. Vagas-Palavras onde poderiam piscar vaga-lumes...
    Tanta explicação quando só precisava AMAR-la!!!!rsrsrsrsrs

    Beijos querida, adorei a sua visita lá.
    Volto sempre aqui.
    Sol-risos iluminando a semana.

    ResponderExcluir
  10. olá gostei daqui e vou voltar.
    abraços.

    ResponderExcluir
  11. "Não se deve fazer poesia na vida. Os heróis, os amantes romanescos, os grandes patriotas, os magistrados inflexíveis, os apóstolos da religião, os filósofos a qualquer custo, todos esses raros e divinos insensatos fazem poesia na vida, daí a sua infelicidade" (Salon, de 1767)

    É o que pode fazer o poeta, afinal, sua musa estará sempre com os lábios entreabertos.
    Se ela abri-los completamente, não será mais musa, será carne, será gente, será pó.
    Se ela fechá-los, nunca terá existido.
    Se ela provocar dor, será eternamente sua!

    poeta amador ama dor...e os profissionais a odeiam, mas não vivem sem ela..rs..

    teoria delirante da sua amiga
    Angélica!

    ResponderExcluir
  12. Diálogo poético.
    Só os poestas surdos. Lindo!

    Olhe, meu endereço mudou :)
    Só atualizar seu link.

    Bjos.

    ResponderExcluir
  13. Duas verdades em quatro versos.

    []s!

    ResponderExcluir
  14. Isso doeu forte em mim...

    Eu escrevi uma série recente de poemas sobre beijo, uns amargos, outros doces, outros tórridos, enfim.

    Beijo é faca de dois gumes.

    Mas muito bom esse aqui. Você, como já disse, está em ótima fase.


    Beijão!!

    REMO.

    ResponderExcluir
  15. É que o poeta sobrevive
    na freqüência aguda de outras cores...

    **Estrelas**

    ResponderExcluir
  16. Ah, as meias-palavras...
    Prum surdo-poeta, isso basta...
    ...mas nem sempre chega...

    ResponderExcluir
  17. Adorei, Keila qrida!
    Me faz pensar em certas coisas...
    (Mas tenho que interromper o pensamento por agora...)

    =*

    ResponderExcluir