09 setembro 2006

escolhas

Com tantos caminhos a seguir
Perde-se a noção do caminhar
Parte dele vai adiante, sem parar
A outra fica, a remediar

O percurso do sangue está dado:
pelas artérias e veias correr
O problema é o coração parado,
Que insiste em não bater

No movimento perpétuo
O sangue continua jorrado
Preenchendo seus espaços
Sem nenhum significado

Cansado desta vida
De bater descompassado
O coração amuado
Deu uma de revoltado:
Deixou de bater ritmado
E morreu descansado.


Keila Sgobi

09/09/2006



(Copyleft)

15 comentários:

  1. , caminhos... nos caminhos o coração acelera, noutros momentos acalma... mas continua o percurso...
    |beijos meus|

    ResponderExcluir
  2. caminhos tantos
    e a solidão,
    companhia fiel.

    gosto do que vomitas.

    ResponderExcluir
  3. nossos caminhos, mesmo quando estamos desacompanhadas, guardam percursos que pedem mais e mais de nós.
    adorei!

    ResponderExcluir
  4. Cada hora com suas escolhas...
    Ora guerras
    Ora paz



    Belo poema, moça!

    ;**

    ResponderExcluir
  5. ou seria, a espera inútil?

    ResponderExcluir
  6. Obrigado por tudo, sempre obrigado! Muito esclarecedoras as suas considerações, Keila! Concordo com tudo!
    Beijos e boa tarde de domingo!

    ResponderExcluir
  7. Uma ponte de safena, rápido!!!


    Beijos!!

    REMO.

    ResponderExcluir
  8. Keila Sgobi,
    vim agradecer a visita ao meu cantinho... Obrigada pelas palavras tão amáveis.
    Quando o coração amua e pára não param apenas os batimentos ritmados: param também os sopros, os olhares, as expressões e os poemas...

    Um beijo,
    volta, que eu vou voltar também***

    ResponderExcluir
  9. Genial, Keila. Porque às vezes mesmo parece que o coração desistiu de bater, e só quer esquecer, de tanto sangue a correr...

    **Estrelas**

    ResponderExcluir
  10. Às vezes, não se tem outra escolha...
    Seria este o caso?

    ResponderExcluir
  11. Qdo li o seu... lembrei de algo que escrevi:

    O doutor auscutou desconfiado, arregalou os olhos. Pegou no pulso e sentiu por uns momentos, voltou ao peito, suspirou.
    E eu fiquei lá, olhando pros seus lábios entreabertos, esperando ele me abraçar pra voltar a dizer tumtum tumtum tumtum...

    (namorar médico dá nisso...rs...)

    Keyla, meu coração por ti bate como um caroço de abacate..rs..
    beijo e n o r m e!

    ResponderExcluir
  12. Não entendi bulhufas de sua última mensagem, Keila!

    ResponderExcluir
  13. Gosto de poemas. Gosto de temas que carregam reflexões. Como esse. Como o dessas "escolhas" que cansaram o coração. É verdade. Às vezes, há essa "escolha" de se desligar o músculo cardíaco...E, descansar...
    Bonito, bonito. Eu achei.
    Beijos, Keila.
    Dora

    ResponderExcluir
  14. Anônimo03:31

    rada alliancesm iztapalapa rush doubled ministries rates novel gendered glrkkja druggists
    semelokertes marchimundui

    ResponderExcluir