03 agosto 2006

No cio (ou o verdadeiro amor)

Curvada de dor,
agachei-me no meio-fio
observando uma totó sentada
que olhava para o vazio

Nossos olhares se cruzaram
e a cadelinha compadeceu-se de minha dor

Levantando-se a abanar o rabo
em minha direção caminhou,
entrelaçou-se em meus braços
e minhas mãos beijou

mesmo com sangue em meus lábios
tranquilizei-me com tanto afeto e amor


Keila Sgobi
03/08/2006

(Copyleft)

11 comentários:

  1. Puta!! Lindo demais!! Que fase, que fase, Keila!!

    ResponderExcluir
  2. Que amor mesmo,
    de graça e anônimo é assim.
    Porque a gente ainda não aprendeu
    Lamber as mãos da dor...

    Estrelas.

    ResponderExcluir
  3. , dores de amor... ah amor! há dores...

    |beijos meus|

    ResponderExcluir
  4. Lindo...

    Uma coisa boa de aprender é a entender os olhares dos totós... eles possuem toda aquela saberdoria do silêncio!

    ResponderExcluir
  5. Que forte! Que belo! Me deixou assim, em silêncio...

    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. [lambidas-e-laços]

    Beijos!
    :)

    ResponderExcluir
  7. Belo poema!

    A fidelidade canina nos faz esquecer das dores e do caos...


    Obrigada pelo carinho! ;)

    Beijos mais felizes também!

    ResponderExcluir
  8. Keila, você vai me matar, mas amigo é aquele que diz a verdade. Pois então darei minha opinião sobre este poema. São duas coisas que não gostei e uma que me encantou deveras. Começemos pelo que não me agradou. Uma, o título, que, se fosse outro ou mesmo se não houvesse, decerto que o poema estaria melhor. Duas, são as rimas caminhou/beijou: porque a rima que muitas vezes dá o ritmo a uma letra de música ou a um poema, às vezes também pode transmitir falta de espontaneidade.
    Agora quero comentar, em apertadas palavras também, qual foi a minha impressão sobre o poema como um todo: lembrou-me muito o Vagabundo, em cenas que suscitam na gente aquela comiseração comovida, aquela afeição toda, quase vontade de chorar. Então, Keila, se assim parece, também espero de você um poema que cause em nós ou sorrisos de ternura ou risadas gostosas quinem as das crianças, porque é assim que sucede nos filmes de Carlitos.
    Té mais, minha companheira onírica!

    ResponderExcluir
  9. Viva cada momento dessa fase.

    Bjo.

    :)

    Linkei vc Walk on :*

    ResponderExcluir
  10. hj me inspirei e tb escrevi :)

    ResponderExcluir
  11. Ô, mulé, vamos publicar coisa nova!!!


    Beijos!!

    REMO.

    ResponderExcluir