28 agosto 2006

Isto não é um poema...

...ma[i]s um dia ensolarado
de nuvens caminhando ao meu lado
sem destino, em solidão

um dia inusitado
em que questionei meu estado
talvez chegando a alguma conclusão

sonhei ler meu caminho escrito
sem previsões em desalinho
ou compassos de dor e confusão.
vislumbrei meu presente
pretensões existentes
alegrias sem um senão

sem me aperceber da vida
ceguei-me perante as conquistas
esfomeei minha auto-estima

tão jovem alcancei alguns fins
sem me dar conta pra não me perder.
que seria de mim se o Sol quisesse atingir
e em minha casa ele viesse morrer?


vou me deixar ao vento
planando sem direção
desfrutando das conquistas
para que não escapem de minhas mãos...

...mais mil dias ensolarados
nuvens, frio e trovão
chuvas a lavarem as calçadas
flores a perfumarem o coração

mais mil dores jogadas pela calçada
mil vezes mil dias de solidão
mil vezes mil momentos de alegria
multiplicando a amplitude de percepção


Keila Sgobi
28/08/2006

(Copyleft)





8 comentários:

  1. "Porque não somos nada, senão a confissão do agora, acontecendo de novo e a cada instante"

    Nada nos pertence e em tudo fazemos parte. Parece que apenas a percepção e o desapego podem tornar mais leve existir por essas ruas cheias de gente...

    Né?

    **Estrelas e carinho, flor**

    ResponderExcluir
  2. Apareça lá em casa! :)

    ResponderExcluir
  3. só por que Magritte disse que não era um cachimbo?

    ResponderExcluir
  4. , reflexões da vida. percepções...
    |beijos meus|

    ResponderExcluir
  5. Pode até não ser um poema...
    Mas tá legal pacaramba!
    -----------------------------
    "vou me deixar ao vento
    planando sem direção
    desfrutando das conquistas
    para que não escapem de minhas mãos..."

    Como? Como fazer isso???
    Como não se perder de suas conquistas no vento???

    ResponderExcluir
  6. Olha que você tá filosofando a vida.


    Beijos!!

    REMO.

    ResponderExcluir