20 agosto 2006

Histórias de pescador

poema a três cabeças

I

Dom Serapião plantava girassóis albinos

que dançavam à luz do céu
seguindo as estrelas
a seguir Dom Serapião

II

Os cachorros pestanejavam

girando num movimento florestrelar
ao redor das árvores sem pestanas
recostando à sombra seca

III

Naquele vazio infinito

infinito até dizer chega
chega a hora de parar
parar e fechar a luneta


Keila, Nanna e Remo Saraiva

06/08/2006

10 comentários:

  1. Nossa! Isso ficou muito bom!

    É uma delícia fazer poesias-parcerias. :)

    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. ah, que inveja!!!!!!!!
    quero fazer uma poesia com vc também!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Foi um prazer mais-que-inenarrável esse poema à seis mãos!!!! Impossível fugir do clichê de falar "prazer inenarrável".

    Ficou bacana, bacana!!

    Sempre às ordens para outras próximas!


    Beijos e beijos!!

    REMO

    ResponderExcluir
  4. ...e pisando as estrelas,
    de vazio até dizer chega,
    Dom Serapião fecha o grito
    Enquanto os cachorros uivam
    flores sem dono...

    *Estrelas**

    ResponderExcluir
  5. , olhas as parcerias, histórias de pescador!

    |abraços meus aos 3!|

    ResponderExcluir
  6. , ah! desconheço isso de ser moda. mesmo se fosse, era só mudar a estação e a moda mudaria também...

    |beijos meus|

    ResponderExcluir
  7. A coisa parace que ficou no inconsciente coletivo, não é mesmo?
    Mea-culpa de minha parte, põe de epígrafe isso (o verso da Nanna)!


    Beijos!!

    REMO.

    ResponderExcluir
  8. Mas o sonho ainda está acordado...

    Precisamos fazer isso mais vezes... Tô com saudade... Risos!

    Beijinhos...

    ResponderExcluir
  9. poema maravilhoso, foi feito em 6 mãos?

    ResponderExcluir
  10. comasasdeouro.blogspot.com.br

    você está convidado a pegar seu par de asas e "voa-lá"
    beijo, linda!

    ResponderExcluir