20 maio 2006

Corridinho

de Adélia Prado

O amor quer abraçar e não pode.
A multidão em volta,
com seus olhos cediços,
põe caco de vidro no muro
para o amor desistir.
O amor usa o correio,
o correio trapaceia,
a carta não chega,
o amor fica sem saber se é ou não é.
O amor pega o cavalo,
desembarca do trem,
chega na porta cansado
de tanto caminhar a pé.
Fala a palavra açucena,
pede água, bebe café,
dorme na sua presença,
chupa bala de hortelã.
Tudo manha, truque, engenho:
é descuidar, o amor te pega,
te come, te molha todo.
Mas água o amor não é.

3 comentários:

  1. Keila, ative o moderador de comentários-spam, porque se não seu blog ficará repleto destes indesejados.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  2. gostei bastante daqui!
    grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. Olá, srta Keila Sgobi!
    Vi um feedback teu em meu blog... Como vc deixou o link pra cá, resolvi dar uma espiada no conteúdo!
    E --que coisa!-- apareço justamente momento que, me parece, vc pára de publicar escritos teus...
    Aliás, os que eu pude ler até então são muito bons! (Até o penúltimo post teu, que foi só pra dizer que não se sentia inspirada p/ escrever algo pra pôr no blog, tá bacana!)
    Gostei muito do que vc publicou aqui em 14-MAI... Maravilhoso!
    (E gostei da sacada do "copyleft" tbm! Hehehehehehe...)
    Com certeza, voltarei aqui mais vzs!
    Até mais!

    ResponderExcluir