26 dezembro 2006

curto-circuito














no escorrendo do
escapamento
a água se esvai
pelos caminhos lentos

minh'agua seca
se'ncontra com teu
umedecer
e'ncurta o circuito
enquanto curto teu circuito
de curvas e delitos
a alimentarem meu envaidecer



Keila Sgobi
26/12/2006

12 comentários:

  1. ???

    Não entendi o que você quer entender...

    ResponderExcluir
  2. (Agora, o poema...)

    A moça tá, digamos, "inspirada", hein?! =P

    Bjão, Keilinha!

    ResponderExcluir
  3. tudo menos chove não molha :)
    pura eletricidade, moça
    :*

    ResponderExcluir
  4. Hummmm.....boa sede, essa....o bom de matá-la é que ela sempre ressuscita......

    ;)

    Beijos, querida!

    ResponderExcluir
  5. Oi, Keila. Te achei pelo blog da Lucimara, Lume Vagante. Bem interessante seu poetar. Beijão, feliz 2007!

    ResponderExcluir
  6. Menina!! Que poemaço!!!! Tô aqui vibrando de inveja..rs... Tudo de bom pra vc.. e muita poesia no nosso caminho em 2007..e de preferência nos próximos anos..rsrs.. beijosssss

    ResponderExcluir
  7. das fotos emolduradas
    e postas sobre os móveis da minha sala
    eu sei a felicidade,
    só não
    como revê-la.
    bjos e feliz 2007.

    ResponderExcluir
  8. , deleite-se em este circuito...
    , feliz 2007!
    |beijos meus|

    ResponderExcluir
  9. moça, cê vai me desculpar, sei que vai, mas nem quero muito entrar em curto-circuito, porque do circuito em que derrapas eu nem curto! siga em frente...

    ResponderExcluir
  10. lindo!!!
    o poema, não o cara! rs...
    beijo!

    ResponderExcluir
  11. Poemas fortes... emoções fortes.
    Belo demais esse.

    bjos meus.

    ResponderExcluir
  12. A chuva cai aqui em seu poema. Sem artifícios, "a água se esvai pelos caminhos lentos" da sua rua e lá dentro vocês dois. O texto "Férias" é mesmo uma canção própria. Riodaqui leva 1 piano na enxurrada e 1 beijo - Paulo Vigu

    ResponderExcluir