29 novembro 2006

Poema a 9 mãos

à luz de águas paulistanas...


A chuva cessou
No peito alegre da menina
Triste
Mas as poças ficaram
Nas moças coisas ficam
Espelhando o novo céu que se abre
Espalhadas pelo chão, nesgas e nuvens
Que refletem mais que meu rosto
Desgosto, dizem, infiéis tormentas
Lamentos pelo caos que a tempestade
Deixou
Tantas rachaduras no asfalto
Tantas poças inspiradas pela chuva
Que o mundo escorrem
E escorrem...
Por dedos descuidados
Por vidas que se correm
Nos tempos que nos morrem
Pra chovermos noutras bandas
Umidade do mundo, por onde andas?


poema criado em conjunto pelos participantes do
Primeiro Encontro de Poeblogueiros Rio-SP

( por Czarina, Fejones, Ellemos, Keila, Lasak, Marla "Vlap", Octávio Roggiero, Tahkren, Sandra e Jardim)
26 de Novembro de 2006

10 comentários:

  1. Esse encontro lindo de poetas e flores que são regadas por água que passarinho não bebe....rsrsrsrs...
    Saudade.

    ResponderExcluir
  2. E não teve frango-a-Mario-Quintana...

    Heheheheheheh...

    E as árvorosssh... Zomuz nozzezz...

    ResponderExcluir
  3. Foi lindo demais! E é!

    Beijos, Keila!

    ResponderExcluir
  4. Né por nada não, má esse poema ficou de mais da conta. Nósss.

    Fejones, o frango foi tentado foi o chapeiro que arregou. :))

    ResponderExcluir
  5. E esse poema está perfumando nossos dias.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  6. Sempre um grande prazer conversar contigo, moça! Pena que é sempre pouco, né?
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  8. é minha sim...
    beijos perfumados!

    ResponderExcluir
  9. eita que fomo nozes
    foi bom demaises
    bonde dos poetas de pazes

    ResponderExcluir