13 junho 2007

Produções a partir de Vidas Secas, de Graciliano Ramos

Poetas,

inicio hoje uma série de postagens que corresponde às produções dos meus queridos meninos e meninas caminhantes. Caminhantes que, assim como nós, estão na escola da vida, mas nem sempre sabem muito bem para onde olhar ou o que observam.

A partir da leitura do Livro Vidas Secas, de Graciliano Ramos, pedi para que produzissem algo que representasse a obra e suas relações com nossas vidas.

Por enquanto, tive pouco retorno. Alguns serão aqui expostos, com o consentimento de seus autores e autoras.

O poema que se segue foi escrito por Alex Ruiz, Maria Heloísa, Vitor Cesar e Willan Pereira (na verdade, ele teve de ir trabalhar), todos estudantes de escola pública, no 3o. EM.

Sem censuras ou correções gramaticais/ortográficas, conheçam

"Vidas Sêcas"


Estas palavras resumem uma vida injustiçada,
que sobre a luz do Sol
olho para frente e vejo uma grande jornada,
reflexo de terra improdutiva e desgraçada

Com muita força e perseverança
à frente vejo um toque de esperança,
uma moradia no abandono
que por causa da seca e da miséria estava sem dono.

Em meio às dificuldades e escassez contínua
a realidade da pobreza vivida
de uma família sofrida que,
almejava uma justa folga merecida.

Ao aconchego da casa acharam que a vida ia
melhorar
mas com trovoadas veio a arruinar
pois o dono da casa veio a chegar
e o exploramento e a vida de escravo iria começar

Seu trabalho era explorado
e sem ter opinião própria ele era comandado
por falta de cultura ele sempre era enganado
e sua consequência era sempre o pior resultado

Depois de muitas humilhações
assim chegaram as reações
saíram daquelas terras sofridas com o porém de esquecer
e andaram com uma coisa em mente, de que algo bom iria acontecer.

11 comentários:

  1. Linda,
    que trabalho maravilhoso...fiquei toda emocionada lendo o poema...eles captaram completamente a mensagem do livro.
    E foram certeiros e muito sensíveis ao escreverem. Estou curiosa pra ler os próximos.

    P.S.: Adorei tua visita. Tava com saudade...

    Beijos da Marla Vlap! rsrsrsr

    ResponderExcluir
  2. Contundente poema em uma perspectiva de estudantes secundaristas, gostei da proposta, incentivo à leitura e escrita é sempre uma atitude fraternal.

    Quanto ao sofrimento da menininha: sinceramente, não sei. O texto tem vida própria agora, fica ao seu critério a resposta. Há braços!


    Antônio Alves
    No Passeio Público
    Postagens às quartas e domingos

    ResponderExcluir
  3. Graciliano... uma das melhores escolhas possíveis!

    Vidas Secas é um livro que já li duas vezes, também porque foi presente de meu pai, com dedicatória e tudo. um livro muito especial para mim!

    parabéns pra todos!

    ResponderExcluir
  4. Muito, muito boa idéia, moça!
    Adorei esse, e fico aqui ansioso pelos demais!

    ResponderExcluir
  5. tem um convite pra vc lá no Flores, Pragas e Sementes!

    ResponderExcluir
  6. Lindo trabalho! Digno de mestre!
    É nítido o sentir sincero nas palavras entrelaçadas.

    E "Vidas Secas", do meu conterrãneo é uma obra fenomenal!!!

    Parabéns!!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. muito legal a sua iniciativa! mais!mais!

    ResponderExcluir
  8. atualiza sua existência virtual-poética, mulher!
    se vc ñ está aí, falta alguma coisa aqui...
    promete que vai espremer nem que for 5 minutos do seu dia pra reaparecer?

    a sumida que retorna te cobrando injustamente, porém carinhosamente,

    Angélica

    ResponderExcluir
  9. http://www.paopoesia.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  10. Anônimo19:47

    Nossa,meus parabéns.Lindo poema,retratou fielmente a história do livro.

    ResponderExcluir